#VEMPRACEI

O fomento ao projeto de turismo na Ceilândia – #VEMPRACEI é realizado por um grupo de coletivos com o objetivo de dar visibilidade a práticas artísticas, ecológicas, esportivas e culturais através de uma ação participativa onde os turistas vão poder conhecer melhor a cidade de Ceilândia, além de contribuírem para o desenvolvimento local.

 

Buscamos o fomento do turismo local como forma de empoderamento dos atores locais e o resgate da auto estima dessa população com a criação das rotas turísticas culturais, gastronômicas, ecológicas e esportivas, desenvolvendo uma nova economia mais autônoma e solidária.

 

A dinâmica tem embasamento na autonomia comunitária, tendo o turismo não apenas como uma atividade econômica, mas sim uma prática social capaz de gerar atividades relevantes, entendendo que cada localidade possui suas próprias especificidades na configuração do espaço social.

 

Ao agruparmos turismo, economia solidária e desenvolvimento, a centralidade das ações está nos indivíduos, os quais são os responsáveis por mudar seus destinos podendo ajudar uns aos outros, pois não precisam ser vistos, sobretudo, como beneficiários passivos de engenhosos programas de desenvolvimento, e sim como protagonistas destas atividades.

 

A Ceilândia tem um grande potencial turístico que o projeto busca fomentar, a maior cidade do Distrito federal tem a Casa do Cantador, projeto de Oscar Niemeyer que é tradicional ponto de visitação da região, e conta com um acervo histórico de artistas da cultura brasileira que se apresentaram durante sua trajetória.

 

A feira central como uma das principais atrações turísticas da região, reduto nordestino; na feira é possível achar itens de todo nordeste, de moda a temperos. Há também um museu da reciclagem criado por garis com objetos retirados do lixo.

 

A Caixa D'água da região de 27 metros de altura chama a atenção de quem passa na avenida Hélio Prates pelo desenho incomum para um reservatório, inaugurada em 1974 no local em que foi lançada a pedra fundamental de Ceilândia, a construção foi tombada pela Secretaria de Cultura em 19 de novembro de 2013 como um reconhecimento dos primeiros habitantes e da construção da região.